quinta-feira, 20 de junho de 2013

ASSEXUAIS ELES VIVEM SEM SEXO

Eles estão em toda parte. No Brasil, uma comunidade no Orkut conta com mais de trezentos membros e já chegaram ao Facebook. Formam um grupo diferente. Não curtem relacionamentos sexuais. Nenhum problema com a libido e mantêm cada um a seu modo e em graus variados bom sistema de autossatisfação. Mas essa é uma atividade pessoal e íntima e nunca compartilhada com o parceiro.

Sim, eles têm parceiros, namoram e casam! Partilham uma vida a dois sem, contudo, se unir sexualmente. São amorosos, querem o encontro e a cumplicidade, mas, abrem totalmente mão do sexo. São os Assexuais. A característica da assexualidade é a ausência de atração sexual. Não sentem desejo de se relacionar sexualmente uns com os outros. Namoram, amam e vivem assim. Fazem parcerias entre eles e os relacionamentos são duradouros. Poucos relatam brigas ou ciúmes, são serenos e seguros porque sabem que essa escolha é, para eles, legítima e coerente.

Raramente se sabe de um casal que tenha rompido o acordo e incluído o sexo em sua união, mas se isso acontecer e houver reciprocidade, por que não? O que não é aceitável entre os assexuais é que um dos parceiros “force a barra” com o outro para a quebra do acordo. Essa é uma regra de conduta e deve ser respeitada.

Muitas vezes a pessoa se descobre assexual já na vida adulta, depois de muito sofrimento, se relacionando com outras pessoas sempre com a sensação de não gostar de sexo, uma violência contra si mesmo. Muitos relatam a alegria e a sensação de liberdade ao se descobrir assexual, isso porque antes, ao forçar uma atividade contrária ao seu desejo, colhia muito mais insatisfação do que alegria e se é assim que se sente, ótimo. E, como disse, há excitação e, assim, a satisfação pessoal é possível.

Não há predominância de sexo. Homens e mulheres podem se descobrir assexuais e aceitar a condição, desenvolvendo a partir dessa “aceitação” novas regras de conduta. Considero importante que a pessoa que não gosta de sexo a dois (já que a autossatisfação é uma prática sexual), tente analisar-se profundamente. Uma decepção amorosa, bloqueios, um trauma, podem fazer cessar o desejo sexual por um tempo e um bom apoio psicológico pode ajudar essa pessoa fazendo com que ela retome sua vida sexual normal.

O assexual gosta de viver sem parceria sexual, não sente falta e é feliz assim. Amam melhor?  São mais desprendidos, já que na maioria inexiste o ciúme doentio e a necessidade de possuir o outro? Talvez. O fato é que vivem normalmente, e, se casados, são como qualquer casal, fora o sexo. Assim como heterossexuais podem se descobrir homossexuais e vice-versa. Também não é condição que alguém que se descubra assexual, não possa sentir que deseja voltar a ser sexual.

O que falei acima se refere à parte moral, se a pessoa estiver dentro de um relacionamento. Importa saber que eles existem, vivem, amam, se alegram e curtem a vida como qualquer pessoa e devem ser respeitados como todos. E como disse o poeta: Toda forma de amor vale a pena!

* Regina Racco é professora de ginástica íntima, autora dos livros: O livro de Ouro do Pompoarismo, A Conquista do Prazer masculino e Pirulito e Outras Delícias, sexo para mestres na arte da sedução -  

www.pompoarte.com.br

Nenhum comentário: