quarta-feira, 19 de maio de 2010

OS ALIMENTOS SE COMUNICAM CONOSCO

Numa descoberta dupla exclusiva, investigadores da Universidade de Leeds mostraram que durante o primeiro segundo em que se trinca comida estaladiça são gerados enormes estouros de ultra-sons – que são simultaneamente analisados pelos ouvidos e pela boca.

O físico alimentar Malcolm Povey explica: “A comida está, de fato, a falar conosco, e nós compreendemos de modo inato o que ela diz acerca da textura ao interpretar as sensações através dos nossos ouvidos a da nossa boca.

A nossa investigação mostra que o som e o sentir a comida na boca é tão importante como o sabor, a aparência e o cheiro para decidir se gostamos de uma coisa ou não.”

Com a utilização de um microfone, um microscópio acústico, um software simples e uma porção invejável de diferentes bolachas, Povey deu-se conta de que a energia produzida na primeira trinca de uma bolacha é libertada na forma de impulsos distintos de ultra-sons – ondas sonoras fora do alcance da audição humana.

Depois de reduzida a sua velocidade e de serem traçados num gráfico, os impulsos podem ser vistos como uma série de picos, quando na realidade têm uma duração de milissegundos e são gerados a níveis de frequência normalmente associados com baleias e golfinhos na sua procura e localização.

“É bom que não possamos ouvir a energia nesses impulsos” diz Povey, “porque danificariam os nossos ouvidos. São estrondos extremamente altos – normalmente muito acima dos níveis seguros de decibeis."

A descoberta de impulsos de ultra-sons que se podem gravar espera-se ser de grande interesse para os produtores alimentares que, na busca da textura estaladiça perfeita para os seus produtos, utilizam um batalhão de padrões de sabores devidamente testados.

Estas pessoas representam o ponto crucial dos esforços dos fabricantes em relação à consistência dos produtos e ao controle de qualidade em termos da criação da textura perfeita para o produto.

A técnica de gravar os sons de trincar e partir comida estaladiça e simplesmente contar os picos sonoros possibilita uma análise de textura barata, quantificável e exacta que assegurará a consistência absoluta do produto: “Quantos mais picos, mais estaladiço é – é tão simples quanto isso,” diz Povey.

A investigação também demonstra que a boca humana é extremamente exacta na sua análise inata dos impulsos ultra-sónicos.  Os resultados dos testes mostram uma relação muito forte entre os resultados medidos mecanicamente pelos profissionais de provas a trabalhar na indústria alimentar e entre os voluntários.

“Não tínhamos qualquer ideia de que a boca e os ouvidos humanos eram tão aptos a capturar e analisar esta informação, especialmente num espaço de milissegundos; é incrível” ,diz ele. www.cienciahoje.pt

SOMOS O QUE PENSAMOS


Finalmente conseguiu se provar cientificamente que a consciência determina,
de fato, o nosso estado de saúde.  O mérito da comprovação é da psiconeuro-imunologia, que estuda a relação entre pensamentos, emoções,
comportamento e o sistema imunológico do ser humano.

Os resultados das pesquisas confirmam o que a tradição esotérica sempre
soube: somos o reflexo do nosso mundo mental.

Joan Kroc, viúva do fundador da cadeia de lanchonetes McDonald's, doou em 1989 dois milhões de dólares à Universidade de Los Angeles para que cientistas de vários campos possam pesquisar de que modo a alma é capaz de fazer adoecer ou curar o corpo. Assim partindo dos hambúrgueres se construiu na Califórnia a ponte para a medicina integral. Reunir o grupo de dez cientistas que começou essas pesquisas seria inimaginável alguns anos atrás, quando uma conversa entre imunologistas, especialistas e neurologistas, de um lado, e psiquiatras e psicólogos, de outro, dificilmente chegaria a um denominador comum.

Hoje existem muitos pontos de contato entre eles, graças a um novo campo de pesquisas que se está espalhando rapidamente pelos Estados Unidos a psiconeuro-imunologia. Esse novo campo de pesquisas une o que, até agora, escava totalmente separado na medicina.

O que tem a ver a alma de uma pessoa, seus pensamentos, emoções e comportamento com seu sistema imunológico, aquele importante guardião da saúde? Ainda há pouco essa questão era ridicularizada pelos especialistas. Durante décadas foram concentrados esforços internacionais em desvendar, passo a passo, os segredos das células imunes (as responsáveis pela defesa do organismo, como os glóbulos brancos).

A mudança veio por assim dizer do cosmos. Durante a missão Apollo III, uma explosão a bordo colocou em perigo a volta à Terra e os astronautas ficaram extremamente estressados.

Os médicos da Nasa descobriram que a quantidade de células imunes diminuíra bastante, e dois dos três astronautas estavam com uma resistência tão baixa que ficaram com gripe.

No fim dos anos 70 se abandonou definitivamente a hipótese da autonomia do sistema imunológico e também aqui o "acaso" teve um papel predominante. Quando começou uma experiência bem comum com camundongos, o psicólogo Robert Ader, da Universidade de Rochester, no Estado de Nova York, sequer sonhava que estava perto de descobrir a relação entre psique e sistema imunológico. Desde as pesquisas com cães feitas pelo russo Pavlov, essa é uma experiência padrão nas pesquisas psicológicas. Ader ensinou os animais a rejeitar água com açúcar, colocando na água uma substância que causava enjôo: ciclofosfamida. Os camundongos aprenderam depressa. Depois da primeira dose da mistura eles associavam uma coisa com a outra e rejeitavam a água açucarada. Ader tirou então o medicamento e, com o tempo, os camundongos começaram novamente a confiar na água com açúcar.

Após algumas semanas, porém, muitos camundongos adoeceram e alguns morreram o que era totalmente inesperado e misterioso por se tratar de camundongos saudáveis e novos. Será que o medicamento também enfraquecera o sistema imunológico dos animais? Improvável, pois eles haviam tomado apenas uma dose da substância, o que não podia ter tido resultados tão negativos.

Ader teve então uma idéia brilhante. Da mesma forma que aquela única dose causou durante tanto tempo uma aversão às doses de água com açúcar, o sistema imunológico ficou enfraquecido durante muito tempo, o que somente podia ter sido causado pela reação psicológica ao medicamento. Os camundongos aprenderam a associar a mistura ao enjôo; cada vez que bebiam o líquido, o estado psicológico ligado à rejeição levava os a um enfraquecimento contínuo do sistema imunológico.

A conclusão era óbvia: o sistema imunológico é condicionável. Já que reage ao poder do costume, devia ser influenciável pelo cérebro. Com isso, foi se o mito da sua autonomia e nasceu a psiconeuro-imunologia.

"Bem, e daí?", dirão muitos adeptos da Nova Era. "É claro que a mente controla o corpo. Além disso, de qualquer modo, tudo está ligado a tudo." Sim, mas exatamente como? Já há três mil anos a literatura médica da Índia vê o corpo como uma projeção da consciência. Mas o que quer dizer isso? Quem leva a integração de tudo a sério precisa saber com clareza de que modo a mente movimenta as moléculas do corpo. Como nossos pensamentos e emoções conseguem nos fazer adoecer ou curar? Como aquela consciência imaterial influencia os processos biológicos?

Diante disso, a medicina ortodoxa se cala com orgulho. Ela não considera a consciência como algo sério! Mas, se nos dirigimos a um naturopata, a um homeopata, acupunturista ou médico espiritualista, recebemos quatro respostas diferentes. Todos falam de energias, mas cada um de uma energia diferente. E, no fundo, ninguém sabe o que quer dizer "energia".

Tampouco a psiconeuro-imunologia tem respostas claras. Mas o que ela postula nos últimos anos é fascinante: qualquer coisa acontecendo no cérebro é observada pelo sistema imunológico. Se se trata de estresse, desespero ou de bem estar e felicidade, as células imunes sabem - e, dependendo do caso, sua ação é diminuída ou aumentada. Os mensageiros das informações para o cérebro/sistema imunológico trabalham com substâncias pequeninas: os neurotransmissores e os peptídios. Até agora foram descobertos mais ou menos 70 deles, mas provavelmente existem algumas centenas. Eles são produzidos pelo cérebro (a maior "glândula" do corpo) e se instalam em determinados lugares, chamados "receptores", na superfície das células imunes.

O cérebro de uma pessoa depressiva libera grande quantidade dessas substâncias transmissoras, que por sua vez também "deprimem" as células imunes. O principio é simples: nosso sistema imunológico é feliz quando estamos felizes. O "programa" na cabeça se projeta em nosso estado de saúde.

O cérebro "ouve" tudo que acontece no sistema imunológico. Mas, como sabemos hoje, as células cerebrais e os glóbulos brancos falam a mesma língua molecular e sabem tudo uns sobre os outros. Porque a criação das substâncias transmissoras não é monopólio do cérebro: o sistema imunológico também é capaz de produzir hormônios de "estresse", liberando até a endorfina, analgésico próprio do corpo. Do mesmo modo, dos intestinos, estômago ou rins são liberadas substâncias transmissoras que influenciam nossas emoções e pensamentos. Literalmente, emoções têm pouco a ver com a cabeça, e mais com a barriga.

Aquela totalidade tão freqüentemente postulada já assume agora formas concretas. Através dos neurotransmissores e dos peptídios, tudo é ligado a tudo. As conseqüências dessa descoberta são revolucionárias. Um corpo capaz de influenciar o cérebro, cuja atividade pode ser observada por cada célula esta fantástica rede psicossomática não tem mais muito a ver com o organismo tratado pela medicina ortodoxa. A divisão em sistema nervoso, imunológico, digestivo, hormonal, em todo caso, vale apenas parcialmente. Até Candice Perth, uma hiperortodoxa bióloga molecular, conhecidíssima nos EUA, já fala em body mind (corpo mente).

O mais fascinante das substâncias transmissoras moleculares é que elas são flexíveis e diferenciadas o bastante para projetar imediatamente processos mentais no nível físico. São os mensageiros sutis do corpo, agindo nas fronteiras entre os mundos.

O que está em cima é igual ao que está embaixo diz a sabedoria hermética dos antigos. O que pensamos ou sentimos se projeta imediatamente no padrão dos neurotransmissores. A psicocinese (o poder de mover objetos através da força de vontade), por exemplo, é para o cérebro uma coisa comum.

Nossos pensamentos formam a realidade material do cérebro. Já constava nos Vedas: o corpo é a projeção de nossa consciência, e muitos biólogos moleculares modernos estão de acordo. Pelo menos no campo molecular, somos o que pensamos...

Uma pesquisa feita na Universidade Stanford, na Califórnia, com pacientes sofrendo de poliartrite, deu resultados bem interessantes. Essa doença se desenvolve com um aumento constante das dores nas juntas, limitando cada vez mais os movimentos dos membros. Os pacientes foram informados detalhadamente sobre seu estado de saúde, fizeram exercícios de relaxamento físico e aprenderam técnicas para dominar melhor as dores atrozes. O curso teve bons resultados, as dores diminuíram e os pacientes conseguiram se movimentar cada vez melhor.  Os resultados positivos surgiram principalmente da convicção de que ele (o paciente) era capaz de melhorar o próprio estado de saúde e vencer a doença.

Mas esperança e outras atitudes positivas são apenas características que estimulam a capacidade de autocura. Também a maneira certa de lidar com o estresse é importante. Quem assume a responsabilidade pela própria vida, quem vê os problemas como desafios não adoece, mesmo em situações difíceis. Mas a lista de fatores positivos é ainda mais longa: amigos, bons contatos sociais, senso de humor, especialmente a capacidade de rir de si mesmo, atitude otimista, capacidade de desabafar e, é claro, o amor.

Em uma outra pesquisa, o psicólogo David McClelland, da Universidade Harvard, assistiu com seus alunos a um filme de madre Teresa de Calcutá mostrando seu trabalho com os pobres e doentes daquela cidade indiana. Todos os estudantes ficaram profundamente impressionados, como provou o exame do sistema imunológico de cada um. A globulina de imunidade A (IgA), um anticorpo responsável pela destruição de infecções nas vias respiratórias, tinha aumentado fenômeno que McClelland chama de "efeito madre Teresa".

Um filme sobre o huno ‘Átila’ não conseguiu, em todo o caso, competir com madre Teresa. Quando os estudantes assistiram àquele filme, a ação dos anticorpos IgA diminuiu. Quem não tem mais esperança, não vê mais sentido na vida, está deprimido e pessimista; quem se estressa e cansa facilmente sobrecarrega o próprio sistema imunológico.

A psiconeuroimunologia não tem dúvidas: o que acontece em nossas cabeças tem infalivelmente conseqüências físicas. Todos nós,  podemos provar essa descoberta. 
A medicina ortodoxa não pode mais deixar de enfatizar, como fez até agora, a importância das energias autocurativas. O médico não deve apenas prescrever remédios, mas também  terapia holistica que determina o autoconhecimento.  Porque os dados científicos mostram justamente esse caminho.

Franz Ingrelfinger, ex editor da revista New England Journal of Medicine, calcula que 80% de todas as doenças se curam sozinhas. E com isso ele não quer dizer gripes leves ou dores de cabeça e nas costas, causadas pelo "estresse".

Quem acredita na cura total, integral, deve levar em conta a vida toda: desde os genes até as emoções; desde as bactérias até a profissão; desde os remédios até o pensamento positivo; desde a higiene até a esperança; desde a obesidade até a poluição; desde a alimentação até a iluminação.  Site Imagick

ANGEL BURTON À BEIRA DA FALÊNCIA DOS RINS DESENVOLVE DOIS NOVOS ORGÃOS


Uma menina de Louth (Inglaterra) deixou a comunidade médica de boca aberta. Angel Burton, que estava à beira da falência dos rins, conseguiu algo impensável: dois novos rins cresceram dentro dela.

Aos 5 anos, Angel (nome bem apropriado?) foi submetida a uma cirurgia por causa das infecções renais que a acompanhavam desde o nascimento. Foi quando os médicos de um hospital de Sheffield descobriram que a menina tinha quatro órgãos - os dois novos rins estavam crescendo sobre os falidos. Três anos após, os novos rins assumiram a função dos problemáticos e a Angel foi declarada curada. Para a família, não há dúvida: Angel, aos 8 anos, foi salva por um "milagre".

"É um milagre real. É absolutamente incrível que nenhum dos exames tenha detectado os rins extras. Estamos tão gratos por Angel voltar à felicidade e à saúde", disse Claire Burton, mãe da menina. De acordo com os médicos, os rins duplex se fundiram nas suas metades e têm ureteres totalmente independentes. Gl