segunda-feira, 13 de setembro de 2010

APENAS UM GESTO PODE MUDAR SUA VIDA

Numa noite tempestuosa, há muitos anos atrás, um senhor idoso e sua esposa entraram no saguão de um pequeno hotel na Filadélfia. O homem levou sua esposa até a poltrona, e depois se dirigiu à recepção.

Todos os grandes hotéis da cidade estão cheios, por favor, vocês teriam um lugar para nós? O funcionário explicou que, como realizavam três convenções na cidade, não haveria nenhum quarto disponível em nenhum lugar.

Todos os nossos quartos também estão cheios disse ele. Todavia, não posso deixar um casal tão simpático como vocês, saírem na chuva a uma da manhã. Estariam dispostos a dormir no meu quarto?

O homem replicou que não gostaria de privá-lo de seu quarto, mas o recepcionista insistiu: Não se preocupe que eu me arranjo.

Na manhã seguinte, ao pagar a conta, o velho senhor disse ao rapaz: Você é o tipo de pessoa que deveria gerenciar o melhor hotel do país. Talvez um dia eu construa um para você.

O rapaz olhou para o casal e sorriu. A seguir os três acabaram rindo, e muito. A seguir, ele os ajudou a levar as malas até a rua. Dois anos se passaram e o recepcionista já esquecera do incidente, quando recebeu uma carta daquele senhor.

Nela ele relembrava a noite da tempestade, e incluía uma passagem de ida e volta à Nova Iorque. Quando o moço chegou à Nova Iorque, o homem levou-o até a esquina Quinta Avenida com a rua Trinta e Quatro, e apontou para um enorme prédio, um verdadeiro palácio de pedras vermelhas com torres e vigas, como um castelo de fadas elevando-se até o céu.

Esse disse o homem é o hotel que acabei de construir para você tomar conta. O senhor deve estar brincando falou o jovem, sem saber se devia ou não acreditar nas palavras do outro. Não, não estou brincando respondeu o homem com um sorriso travesso.

Afinal quem é o senhor? 
Meu nome é William Waldorf Astor. Estamos dando o nome do hotel de Waldorf Astoria, e você vai ser meu primeiro gerente. O nome do rapaz era George C. Boldt, 
e essa é a história de como ele saiu de um pequeno e modesto hotel na Filadélfia, para tornar-se gerente do que era então o hotel mais fino do mundo!!!

Astor sabia que a bondade demonstrada por Bolt fora “espontânea”, sem pensar em tirar qualquer proveito dela, e por isso teve início uma amizade que superou todas as barreiras de status social e financeiro.

O recepcionista que certamente recebia um modesto ordenado decidiu ajudar um estranho por perceber sua real necessidade. Mal sabia ele que estava cedendo seu quarto ao homem mais rico dos Estados unidos.

Ele podia muito bem ser apenas mais um homem de negócios, à procura de um quarto naquela noite tempestuosa e fria. Por outro lado, aquela semente de amizade, uma vez plantada, germinou para o recepcionista na forma de um cargo muito superior e de maior prosperidade. Ainda se não fosse acontecer isso, recebeu a amizade e sentimento de gratidão enorme, pelo seu gesto.

Aqueles que ajudamos, sejam eles pobres, ricos, de classe média, brancos, negros, amarelos ou pardos, muitas vezes apenas esperam de nós um “apoio”, uma “palavra”, um gesto de “amizade”. Se fizermos com o intuito de obter lucro, já eremos recebido nossa recompensa, e tudo termina aí!!!

Mas, se nos mostramos generosamente solícitos, e compadecidos daqueles que nos rodeiam, seremos ABENÇOADOS para sempre!!!!

leovivas.zip.net

A LIÇÃO DO BAMBU

Depois de plantada a semente deste incrível arbusto, não se vê nada, durante 5 anos, todo o crescimento é subterrâneo, invisível a olho nu, Mas, uma maciça e fibrosa estrutura de raiz, que se estende vertical e horizontalmente pela terra está sendo construída.

Um escritor americano escreveu:  "Muitas coisas na vida pessoal e profissional são iguais ao bambu chinês": você trabalha, investe tempo, esforço, faz tudo o que pode para nutrir seu crescimento,e, às vezes não vê nada por semanas, meses, ou anos.

Mas, se tiver paciência para continuar trabalhando, persistindo e nutrindo, o seu 5º ano chegará e, com ele, virão um crescimento e mudanças que você jamais esperava…

O bambu chinês nos ensina que não devemos facilmente desistir de nossos projetos,de nossos sonhos… especialmente no nosso trabalho, [que é sempre um grande projeto em nossas vidas].

É que devemos lembrar do bambu chinês, para não desistirmos facilmente diante das dificuldades que surgirão.

Tenha sempre dois hábitos:  Persistência e Paciência, pois você merece alcançar todos os sonhos!!!  É preciso muita fibra para chegar às alturas e, ao mesmo tempo, muita flexibilidade para se curvar ao chão.

AS SETE VERDADES DO BAMBU

Depois de uma grande tempestade, o menino que estava passando férias na casa do seu avô, o chamou para a varanda e falou:

Vovô corre aqui! Me explica como essa figueira, árvore frondosa e imensa,
queprecisava de quatro homens para balançar seu tronco se quebrou, caiu
com o vento e com a chuva... este bambu é tão fraco e continua de pé?

Filho, o bambu permanece em pé porque teve a humildade de se curvar na hora da tempestade. A figueira quis enfrentar o vento. O bambu nos ensina sete coisas. Se você tiver a grandeza e a humildade dele, vai experimentar o triunfo da paz em seu coração.

Primeira verdade que o bambu nos ensina, e a mais importante, é a humildade diante dos problemas, das dificuldades. Eu não me curvo diante do problema e da dificuldade, mas diante daquele, o único, o princípio da paz, aquele que me chama, que é o Senhor.

Segunda verdade o bambu cria raízes profundas. É muito difícil arrancar um bambu, pois o que ele tem para cima ele tem para baixo também. Você precisa aprofundar a cada dia suas raízes em Deus na oração.

Terceira verdade você já viu um pé de bambu sozinho? Apenas quando é
novo, mas antes de crescer ele permite que nasça outros a seu lado, como
no cooperativismo. Sabe que vai precisar deles. Eles estão sempre grudados
uns nos outros, tanto que de longe parecem com uma árvore. Às vezes
tentamos arrancar um bambu lá de dentro, cortamos e não conseguimos. Os
animais mais frágeis vivem em bandos, para que desse modo se livrem dos predadores.

Quarta verdade que o bambu nos ensina é não criar galhos. Como tem a meta no alto e vive em moita, comunidade, o bambu não se permite criar galhos. Nós perdemos muito tempo na vida tentando proteger nossos galhos, coisas insignificantes que damos um valor inestimável. Para ganhar, é preciso perder tudo aquilo que nos impede de subirmos suavemente.

Quinta verdade é que o bambu é cheio de “nós” [ e não de eu’s]. Como ele é oco, sabe que se crescesse sem nós seria muito fraco. Os nós são os problemas e as dificuldades que superamos. Os nós são as pessoas que nos ajudam, aqueles que estão próximos e acabam sendo força nos momentos difíceis. Não devemos pedir a Deus que nos afaste dos problemas e dos sofrimentos. Eles são nossos melhores professores, se soubermos aprender com eles.

Sexta verdade é que o bambu é oco, vazio de si mesmo. Enquanto não nos esvaziarmos de tudo aquilo que nos preenche, que rouba nosso tempo, que tira nossa paz, não seremos felizes. Ser oco significa estar pronto para ser cheio do Espírito Santo.

Sétima verdade que o bambu só cresce para o alto. Ele busca as coisas do Alto. Essa é a sua meta.