sábado, 24 de julho de 2010

OS CHACRAS DO PLANETA TERRA

Tal como os seres humanos estão equipados com seu sistema de chacra, o planeta Terra também é um ser vivo respirando, organismo completo com todos os chacras e nadis. Dessa forma sabemos que a geografia nos ensina sobre os continentes, oceanos, montanhas e rios do mundo. Já a geologia estuda as formações rochosas – o esqueleto da Terra. Essas ciências investigam os aspectos mais materiais do corpo do planeta. Então o estudo dos chacras terrestres é mais semelhante a acupuntura na qual exploramos as estruturas de energia mais sutis da Terra.

Os chacras terrestres são como órgãos de um corpo que são vitais para a saúde do mundo e para todos os seres vivos dependentes dos diferentes ambientes oferecidos pelo planeta. Cada chacra serve a uma função dupla: primeiro manter a saúde global total e segundo transmitir e receber a energia codificada com informação.

A confiança é o fundamento ou pré-requisito para a comunição. A Terra tem alguma boa razão para confiar em ti? Se é assim, então é possível aprender a arte de escutar a Terra. A Terra não tem medo, não tem segredos. Mas o enigma da vida permanece... escuta a palavra da Terra e desvela o mistério da vida. Confia na Terra, harmoniza seu propósito individual com a vontade da Terra. Quando a confiança seja mútua entre você e a Terra, então a comunicação se converte reveladora em seu poder – O que abre o Caminho, retira todo o obstáculo entre a situação atual e o Santo Graal (fonte da vida). Encontra o Graal e entenderás o propósito da Terra.

Como comunica a Terra sua informação a outras espécies? Se estudarmos a estrutura da vida do mundo como um organismo, então sabemos onde e quando escutar. Se necessitas de energia para transmitir informação, então as maiores concentrações de energia codificada com informação emanam dos grandes chacras terrestres.

Como nós intuitivamente e de forma muito inconsciente nos comunicamos com a vida, tanto a Terra com o todo? Lembram quando se comunicam com as pessoas nos sonhos? È tudo mental, não há fala.

Existe um grande chacra terrestre situado em cada continente, com a exceção da Antártida (também tem órgãos sutis principais e suas localizações e funções ainda estão sendo estudadas). No centro de cada chacra terrestre existe um lugar sagrado principal. E desde esse ponto sagrado o chacra se expande de um modo circular – seu raio se estende por muitos quilômetros. Se um chacra da Terra estiver operando em um estado ótimo de saúde, seu raio aproximado pode chegar a ser, na maioria dos casos, de umas 777 milhas (1250 km). Deve ser recordado que isso é somente uma quantidade média, já que todos os órgãos vivos que se expandem e se contraem de acordo com complexas condições que podem afeta-las (como poluição, desmatamento, produtos tóxicos, bomba atômica).

Os chacras terrestres também tem profundidade e altura. Assim, a superfície total de um chacra terrestre é esférica como um disco voador, com uma circunferência máxima na superfície da Terra e com extensões verticais até a atmosfera e em direção subterrânea para conectar com as estruturas mais profundas da Terra. A transmissão desde os chacras terrestres segue essa superfície como também viaja através do ar, água e terra.

O lugar sagrado no centro de um chacra define principalmente o propósito dos órgãos da Terra. Mitos, lendas e simbolismos de arquétipos tradicionais ao lugar, iluminam a função de cada chacra terrestre. Assim mesmo a cultura humana regional de cada uma dessas zonas levam algo do “sabor” do chacra situado na sua cercania.

Cada Chacra é um vórtice dinâmico de energias sutis. Em algumas situações, essas forças giram e ascendem tanto em sentido horário como em sentido contrário. Em outras circunstancias, a força do chacra terrestre pode estar dirigida em linha reta . ao longo de caminhos de Dragão, linhas Ley ou linhas de som. Estes caminhos conectores são análogos ao sistemas humanos de circulação, nervoso ou meridianos de acupuntura. As grandes artérias Ley da Terra conectam entre si os chacras terrestres continentais.

A Terra não pode ser compreendida de forma isolada do resto do sistema solar. Em particular, os ritmos da lua e do sol são vitais. Também os variados movimentos da Terra em si são importantes. Todos esses movimentos terrestres, lunares ou solares têm um profundo efeito nos chacras terrestres. Por esse motivo, é essencial fazer sempre esta pergunta: quando é o momento mais propício para interatuar com os diferentes chacras? Cada chacra tem seu próprio lugar no tempo.

Ademais, do sistema solar, os chacras terrestres estão também abertos aos quatro elementos – fogo,ar, água e terra. Por essa razão, todos os chacras têm suas principais dimensões horizontais sobre a superfície onde estão em contato direto com o sol, o ar e a água. É importante recordar que sua contínua interação entre os chacras terrestres é a chave para uma maior qualidade de vida no planeta. Nenhum chacra terrestre atua isolado dos demais. Quadro dos principais chacras da Terra:

Shasta é o primeiro dos chacras terrestres, ele está na base do planeta. Nele os precursores, sem refinar a vida biológica, são soltados na circulação global e desenvolvem. O Monte Shasta regula a vida universal antes de sua integração nas formas de vida individuais e as espécies.A corrente de vida de Shasta não acolhe forma até que é transformada em um dos outros grande chacras continentais.

Na ilha do Sol do lago Titicaca, está localizada a pedra Titicaca, a qual é o centro geométrico do segundo chacra terrestre. Esse é o centro mundial da criação de novas espécies e dos avanços evolutivos significativos das espécies existentes. Esse segundo chacra governa sobre todas as espécies, com especial interesse nas mutações positivas e os avanços evolutivos.

A força de vida não diferenciada do primeiro chacra, o Monte Shasta, é trasmitida ao Lago Titicaca através da grande artéria Ley planetária – a serpente emplumada. Essa corrente telúrica doadora de vida rodeia o mundo e tem seu lugar de evocação na Árvore El Tule no México. Se constroem o segundo chacra planetário sobre um mapa, deixa que a circunferência passe pela união dos rios Napo e Maranon, acerca de Iquitos no Peru, onde o rio Amazonas começa. Esse grande circulo inclui o coração dos Andes, Cuzco e Machu Picchu.

Agora o chacra planetário do plexo solar estão situados em Uluru e Kata Tijuta, lugares gêmeos no território norte da Austrália. A função global deste chacra é manter a Terra e todas as espécies vivas. A serpente do arco-iris viaja no caminho da vida, surgindo de debaixo da superfície da Terra e emergindo em primeiro lugar em Uluru.

O quarto chacra encontra-se em Glastonbury e Shaftesbury, na Inglaterra. Glastornbury é considerado o lugar do Santo Graal e Shaftesbury é o alto lugar da Sagrada Lanza do Propósito. Para que a força de uma maior vida possa ser dirigida ao seu máximo efeito. Então a artéria Ley da Serpente do Arco Íris é capaz de entregar as imortalizantes freqüências do Santo Graal a todos os seres da Terra. Então o Graal, dirigido pela vontade do espírito da Terra, tem o poder de dissolver todas as fronteiras entre nações. Se o coração da Terra se expande a seu circulo completo, então – por todo o mundo – a dor, sofrimento e morte física entre todas as espécies se desvanecerá da experiência e da memória.

O chacra laríngeo terrestre é o único que não está sobre a corrente Ley da Serpente do Arco Íris (feminino) e nem na Serpente Emplumada (masculino). Mas por sua função giratória, ajuda a conduzir a força ao largo do caminho da Serpente do Arco-Iris. Aqui a Terra fala e nada parece estar escutando. Imagine um Oriente Médio onde Jerusalém e Meças são heranças mundiais cosmopolitas abertas a todas as culturas. A voz da Terra está cantando o evangelho da vida a esta região: o Monte Sinai, a Grande Pirâmide (um dos poucos chacras artificiais) e o Monte das Oliveiras.

O sexto chacra, que é móvel, encontra-se atualmente junto ao chacra do coração terrestre. O propósito desse movimento é destilar a sabedoria de vida sobre a Terra em diferentes ciclos terrestres. Na sua função, permite aos indivíduos participar em fases principais do avanço da vida na Terra durante tempos maiores.

O sétimo chacra fica no Monte Kailash, a montanha mais sagrada dos Himalaia. Na sua função, esse chacra permite completar a unidade que deve ser estabelecida entre o propósito evolutivo da Terra e os propósitos individuais, em dedicação a superação de todas as entropias, a eternização de toda a vida.

Concluímos, então, que o planeta, assim como nós, é um ser em evolução. Tem um Cristo que é o Sol Central, cuja sede é o coração, a semelhança de qualquer filho do Criador. Também o planeta possui uma kundalini, o misterioso fogo virginal, que lampeja no coccix no processo de iluminação planetária. Esse fogo desperto e radiante opera maravilha. E possui pulmões que são a camada etérea que envolve o planeta que se purifica através de correntes de energia que circula o corpo planetário.

Possui cabeça que é o pólo, o ponto mais elevado por onde entra as influências ou inspirações oriundas do cosmo. Os órgãos excretores estão localizados no Pólo Sul que servem para expelir as energias degradadas e impuras. Seu esqueleto é formado pelas montanhas e colinas. Carne que são as terras planas e cintura que é o equador. Seu sistema linfático é composto pelos mares e os vasos sanguíneos são os rios. Seus nervos são os veios minerais.

Possui meridianos para a própria respiração, personalidade, tipo de temperamento, temperatura e código energético próprio. Como nós um planeta é um ser em evolução. Nasceu e sua extensão tem uma finalidade, uma meta a cumprir. Precisa evoluir pelos seus próprios méritos e usando seus próprios recursos. Conquistar seu lugar ao sol. Sempre cumprindo as leis do plano da criação.
sites.google.com